terça-feira, 29 de março de 2011

Isto, que é vida

Realidade abstracta,
Sensação de dormência,
Alegre bonança de silêncio
Que apraz este meu dia.

Ah! Sinto o suave beijo da vida.

Alegoria de primazia,
Sobre ti, minha amada,
Aleluia!
Oiço a liturgia além-mar.

Ah! Sinto a vida num beijo suave.

Livre-pensador, com credo,
Aleijado, lívido,
Dando o litro,
Nesta bela Primavera.

Ah! Sinto o suave beijo da vida.

Um boqueiro na tapada,
Atravessado alegremente,
Em ti um belo cravinho,
Em relva benevolentemente plantada.

Ah! Sinto a vida num beijo suave.

Alegação final, que maçada,
Aborrecimento supremo,
Numa manhã tão abonada,
Até parece que blasfemo.

Ah! Sinto o suave beijo da vida.



Vítor Fernandes