terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Sombra de nada

Sei que sentes que sinto,
Algo que...talvez seja...
Não sei se minto.

Ainda que não real,
Irreal não é,
Apenas não o foi ainda.

Basta que o sonhes comigo

Sei que sentes o sabor do beijo
Que ficou por dar,
Naquele momento
Que nem se chegou a passar.

Os teus lábios despertam comigo

Mesmo que este nada seja tudo
O que se vier a passar,
Ainda que apenas os teus pensamentos
Se colem aos meus,
Tens o que nunca pensei dar!

E este nada que é tudo
nem sequer alcança o mar...


Vítor Fernandes