domingo, 28 de dezembro de 2014

Sentir, possuir,
Olhar para trás, não perceber.
Vi-te, olhaste-me por dentro.
Pensei, parei,
Suei, cansei,
Fui.
Nos teus braços balancei.
Já não sou eu.



Vítor Fernandes

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014


















Fugazmente me escrevo
com a terrível leviandade de ser eu que mando
nas palavras.
Sou o dono do quintal por onde desfilam...
exclamações
interjeições
simples declarações.
No silêncio dos lábios
as letras enrolam os traços
que comungam
e aprofundam a sua relação.
São apenas palavras
e frases
e páginas
e livros.
Sou eu apenas
espraiado
olhando um mar onde poucos sabem nadar.


Vítor Fernandes

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

A ilusão

















Na passagem dos dias.
O tempo.
Em que me ausento de mim.
E de ti.
E também de tudo.
Do tormento.
Que por vezes me persegue.
Os pensamentos.
E sentimentos.
A ausência de rumo.
Fora de mim.
E de ti.
Não percebo.
O que não espero.
Da vida.
De mim.
E talvez de ti.
Também.


Vítor Fernandes